Cão para adoção: Mel e Docinho

Ficha do animalzinho

Data do anúncio: 1 de julho de 2019
Idade: adulto sem informação
Categoria: Cão
Sexo: Fêmea
Porte: Pequeno
Castrado: Sim
Vacinado: Sim
Vermifugado: Sim
Adoção Especial: Sim
Cidade: Belo Horizonte

Contato para adoção

Nome: Jane / Vera
Email: vlamacedo@hotmail.com
Telefone: (31) 99674-5470 ou (31) 99272-9059


História

O caso é grave e a adoção é pra lá de especial.

O adotante precisa estar mesmo comprometido a fazer o melhor e transformar a vida delas.

Elas são duas Shih-tzus, bem bonitinhas e pequeninas, mãe e filha.

Tudo indica que a mãe era usada como matriz, pra fornecer filhotes por aí.

Em algum momento, seus exploradores decidiram se livrar delas e optaram pela eutanásia. Contudo, a eutanásia teria que ser sem custo e, então, decidiram matá-las com pauladas. Segundo relatos, a arma usada foi o pé de uma cadeira quebrada.

Depois da agressão, foram jogadas na rua, pra acabarem de morrer. (Essa foi a história contada pelas pessoas que pediram socorro pra elas. Contudo, o veterinário que examinou disse que o trauma não é recente. Não sabemos, portanto, por quanto tempo elas viveram com os agressores).

Por sorte (ou azar), o socorro chegou primeiro. Elas estavam, emboladas, muito sujas, famintas e infestadas de carrapatos.

Como sequela da agressão, a filhotinha teve uma fratura grave na coluna e ficou paraplégica.

Exames e radiografias com os melhores especialistas mostraram que o dano é irreversível.

Foram resgatadas, mas o estrago já estava feito e hoje elas estão destruídas, consumidas pela tristeza e angústia. Talvez elas tenham consciência do que poderia ter sido, da vida que mereciam, e de uma felicidade que talvez nunca chegue.

A mãe não desgruda da filha e, embora esteja saudável e pronta para adoção, não podemos separá-las, pois a filha paraplégica sofreria muito.

Apesar das limitações, Docinho, a filhote, é bem independente. Consegue andar (se arrastar) pra todo lado, faz suas necessidades sozinha e brinca como uma filhotinha arteira.

Claro que precisa de alguns cuidados especiais. Ela precisa ficar dentro de casa, em piso liso, pra não se ferir.

A tosa precisa ser constante, pois ela se suja muito e precisa de um “meio banho” quase todos os dias.

Talvez um tosador experiente possa idealizar uma tosa personalizada só pra ela, mantendo tufos de pelo na parte das perninhas que se arrasta no chão, pra proteger melhor a pele.

Fora isso tudo, elas estão bem e saudáveis. São negativas para Leishmaniose e iniciaram a vacinação, coisa que elas nunca tiveram. A mãe já está castrada e a pequenina ainda passará pelo procedimento.

Ela é a coisa mais bonitinha do mundo e parece ser daqueles Shih-tzus bibelôs. É arteira, alegrinha, brincalhona e até um pouco bagunceira. Chinelos não podem dar bobeira perto dela.

Quando pega no colo, a mãe se agita pra reivindicar a sua porção de afeto.

Não é possível dar tratamento diferenciado, pois elas são uma só alma divididas em dois corpos.

A Docinho já aprendeu com a mãe que, pra ganhar carinho na barriga, tem que deitar e se virar. E apesar de toda a dificuldade, ela também consegue fazer isso.

Não existe coisinha mais oferecida. Ela mordisca os dedos que lhe coçam a barriga e faz festa pra tudo e pra todos.

O rabinho, infelizmente, não balança mais. Ela é curiosa e fica querendo acompanhar a mãe em tudo. Infelizmente, nem tudo ela pode. Passear na rua, na coleira, por exemplo, é coisa que ela não poderá fazer, a menos que ganhe uma cadeirinha de rodas.

Não sabemos se a falta de crescimento dela tem relação com o trauma. O fato é que ela não cresceu e é bem menor que a mãe.

Não fosse pelo “acidente”, talvez ela tivesse terminado seus dias em uma daquelas gaiolas do Mercado Central, o que seria um destino ainda mais triste.

Que essa tragédia tenha um propósito. Se elas conseguirem, juntas, uma mãe verdadeiramente responsável e comprometida com a evolução espiritual delas, tudo terá valido a pena, até mesmo o defeitinho.

E que fique claro que não serão separadas. Sabemos que, para a mãe, não faltarão pretendentes, mas preferimos nem mesmo receber propostas para separá-las.

Não é justo atrelar destinos tão diferentes, mas acreditamos que a evolução da Mel só será completa se ela puder conduzir a Docinho nessa jornada.

Elas são capazes de dividir tudo, inclusive o mesmo colo. Dormem uma sobre a outra, na mesma caminha, mesmo se houver outra cama vazia ao lado.

Que venha então a adoção conjunta que elas tanto precisam. Temos a convicção de que uma adoção assim trará muita alegria aos futuros donos.

Assumir um compromisso assim é mais que compaixão, mas um grande salto rumo ao crescimento que tanto precisamos.

Contato: Jane: (31) 9 9674.5470 / Vera: (31) 9 9272.9059.

E-mail: vlamacedo@hotmail.com

*A Rockbicho não se responsabiliza por informações contidas nos anúncios de terceiros.

ATENÇÃO:
Ajude-nos a manter o site atualizado. Se você escolheu o cãozinho deste anúncio e ele já foi adotado, por favor nos informe pelo email anuncio@rockbicho.org, com o link do anúncio!
Mel e Docinho, cadelas para adoção

Blog

Fique ligado em novidades, eventos e diversas curiosidades sobre o mundo animal.
ver mais no blog

Cadastre-se

Receba novidades sobre a rockbicho.org

Thank you! Your submission has been received!

Oops! Something went wrong while submitting the form :(

Rockbicho nas redes sociais

Ajude-nos a divulgar a nossa causa

Parceiros

Conheça alguns parceiros da nossa causa. Faça parte você também!
logo-98fm
logo-loboalfa
marca-hvu24h
logo-netscanner
Sem Título-1
Logo CastraPet BH